Abril da Dança em Salvador

 RESIDÊNCIA ARTÍSTICA

A residência artística tem se mostrado, em todo o Brasil, como um eficiente meio de fortalecimento das redes produtivas e importante alvo das políticas públicas para as artes cênicas. Nos últimos anos, diversos grupos e artistas da dança buscam apoio dos espaços culturais no sentido de ter suas atividades artísticas acolhidas, com um local adequado para a realização de ensaios, reuniões e demais atividades de caráter organizativo e estruturante. Sendo assim, a partir de uma nova reformulação no cenário cultural, de um novo entendimento do conceito de cultura e da relevância quanto à questão da diversidade cultural, os centros culturais da FUNCEB têm oferecido possibilidades para receber estes grupos, numa proposição de gestão colaborativa, com vistas a ampliar as ações e facilitar o acesso das comunidades às atividades desenvolvidas por eles.

Penso que a residência artística em espaços públicos se faz especialmente importante em dois aspectos: proporciona a dinamização da programação do espaço, transformando o equipamento cultural num mecanismo de capacitação que contribui para o desenvolvimento do artista; e favorece uma relação mais próxima entre o artista e o Estado”, fundamenta Kátia Costa, coordenadora do Espaço Xisto, que abriga diversos grupos e artistas residentes temporários e permanentes. “O ambiente é agradável e tudo é feito com bastante transparência e objetividade. Além de ser muita gente, são muitas ideias e questionamentos, por isso discutimos horários e tempo das atividades com os interessados em ocupar as salas, preenchemos um mapa que fica disponível para visualização de todos, e vamos negociando”, revela Kátia.

 Entre os ocupantes temporários do Xisto, está o Grupo X de Improvisação em Dança, parceiro desde 2008, que promove diversas atividades e atualmente ocupa o local todas as segundas-feiras. Edu Oliveira, um dos oito integrantes do grupo, vê o Xisto como um espaço organizado que colabora para os trabalhos desenvolvidos pelos artistas. “O principal desta relação é a abertura e a disponibilidade que o espaço tem para receber os artistas. Sempre procuramos o Xisto porque em Salvador é difícil encontrar um local adequado capaz de nos acolher. Mesmo em momentos complicados, como quando estava em reforma, o Xisto sempre nos oferece um local para ensaiar”, resume Edu.

 Assim como o Xisto, o Cine-Teatro Solar Boa Vista também possui grupos residentes. É o caso da Rumpilé Cia. de Dança, presente na história do Solar desde 2003 com o projeto População Cultural da FUNCEB, tendo firmado residência a partir de 2008 com a transformação do local em um Ponto de Cultura. Desde então, trabalha no sentido de ampliar o acesso da população ao teatro e, principalmente, de oportunizar aos artistas brotados da comunidade a formação em dança. Silvia Rita, diretora e coreógrafa da Rumpilé, atualmente com 10 integrantes, acredita que a residência é um grande ganho para os artistas, para a população e também para o centro de cultura. “O processo é bom e poderia ser ampliado, pois o Solar é um espaço bacana e necessita de novos olhares incentivando esta proposta. Além de oferecer mecanismos para que os artistas desenvolvam seus trabalhos, facilita a mudança de pensamento da comunidade que, através dos shows, espetáculos e apresentações, passou a frequentar o Solar”, constata Rita.

 Já o Centro Cultural Plataforma abriga, desde 2008, o Grupo Cultural Herdeiros de Angola. “Levar a cultura para a comunidade e trazer as pessoas para o teatro. Essa é a nossa função como mobilizadores culturais residentes, somente realizada por meio da parceria entre os Herdeiros, o Centro Cultural Plataforma, as escolas e a comunidade”, defende Maria Nauzina dos Santos, coordenadora do grupo, que é formado por mais de 100 pessoas – entre alunos de escolas públicas e moradores do Subúrbio Ferroviário – e promove, gratuitamente, oficinas de teatro e de dança para jovens e adolescentes, atividades de incentivo à leitura para o público infantil e também aulas de alongamento para a terceira idade.

PROGRAMAÇÃO

(grade sujeita a alterações)

 Centro Cultural Plataforma

Praça São Braz, s/n – Plataforma / Tel.: 71 3117-8106

Espetáculos

 

Quando

Quanto

Da Ponta da Língua à Ponta do Pé (Cia. Viladança) – espetáculo também integra a programação do VIVADANÇA Festival de Dança 2011 19/4 e 20/4, 10h e 15h Grátis 
Oito Movimentos (Bis Cia. de Dança) 27/4 e 28/4, 20h R$ 4 e 2 
Omim Okum – O Mistério das Águas (Grupo Herdeiros de Angola) 29/4, 20h R$ 2 e 1
Areia (Balé Jovem de Salvador) 30/4, 20h R$ 2 e 1

 

 Espaço Xisto Bahia

Rua General Labatut, 27 – Barris / Tel.: 71 3117-6156

 

Espetáculos

 

Quando

Quanto

Sonho Armorial (Lé com Cré) 12/4 a 14/4, 19h R$ 6 e 3
Corpo Sísmico (Grupo Corpo Sísmico) 13/4 e 14/4, 19h R$ 6 e 3
Império de Kursh (Jackson Pinto) 13/4 e 14/4, 19h R$ 6 e 3
Natureza Humana (Jorge Silva Cia. de Dança) 15/4 a 17/4, 19h R$ 6 e 3
Triscou, Pegou! (Cia. de Dança Robson Correia) 15/4 e 16/4, 19h R$ 6 e 3
Sorria, Você Está na Bahia (Norma Santana) 16/4, 19h R$ 6 e 3
Omim Okum – Mistério das Águas (Grupo Herdeiros de Angola) 17/4, 19h R$ 6 e 3
Tabuleiro da Dança 19/4, 19h R$ 6 e 3
Braile – Quarenta ou Quatro de Dez – Menu (Grupo Radar) 20/4, 19h R$ 6 e 3
Pequetitas (Grupo X de Improvisação em Dança) 20/4, 19h R$ 6 e 3
Quem te Pariu (Experimentando-Nus Cia. de Dança) 27/4 e 28/4, 19h R$ 6 e 3
Atchim (Denise Torraca) 27/4 e 28/4, 19h R$ 6 e 3
Omi D’Sun (Grupo de Dança Afro Omi D’Sun) 27/4 e 28/4, 19h R$ 6 e 3
100% Afro Indígena (Grupo 100% Afro Indígena) 28/4, 19h R$ 6 e 3
Raízes com Asas (Marcelo Bomba) 28/4, 19h R$ 6 e 3
Fragmentos Revisitados (João Perene Núcleo de Investigação Coreográfica) 29/4 e 30/4, 19h R$ 6 e 3
Priscila Está Esperando na Sala (Hugo Leonardo) 29/4 e 30/4, 17h R$ 6 e 3
Areia (Balé Jovem de Salvador) 29/4, 19h R$ 6 e 3
Tumbá (Afrossá Cia. Contemporânea de Intervenção Urbana) 29/4 e 30/4, 19h R$ 6 e 3
O Engenheiro que Virou Maçã (Coletivo Construções Compartilhadas) 30/4, 19h R$ 6 e 3

 

Cine-Teatro Solar Boa Vista

Praça Marques de Abrantes, s/n – Engenho Velho de Brotas / Tel.: 71 3116-2108

 

Oficinas

Quando

Quanto

Oficina de Dança Contato e Improvisação (Hugo Leonardo) 12/4, 17h às 19h Grátis
Oficina em Composição (Jorge Silva Cia. de Dança) 18/4 e 20/4, 15h Grátis

Espetáculos

 

Quando

Quanto

Pequetitas Coisas entre Nós Dois (Grupo X de Improvisação em Dança) 12/4, 20h R$ 6 e 3
Triscou, Pegou! (Cia. de Dança Robson Correia) 14/4, 16h R$ 6 e 3
Areia (Balé Jovem de Salvador) 15/4 a 17/4, 19h30 R$ 10 e 5
Do Lado de Fora (Balé Jovem de Salvador) 15/4 a 17/4, 19h30 R$ 10 e 5
Mostra Coreográfica (Jorge Silva Cia. de Dança) 20/4, 19h Grátis
Da Ponta da Língua à Ponta do Pé (Cia. Viladança) – espetáculo também integra a programação do VIVADANÇA Festival de Dança 2011 26/4 e 27/4, 10h e 15h Grátis
Casulo na Dança – Corpo, Movimento e Inclusão (Organização Perspectivas em Movimento) 28/4, 15h Grátis
I Noite Yumn Kaliq – Dança do Ventre (Cia. Yumn Kaliq) 29/4, 19h R$ 10 e 5
Omim Okum – O Mistério das Águas (Grupo Herdeiros de Angola) 30/4, 17h R$ 2 e 1

Workshop

Quando

Quanto

Afrodanças – Saúde corporal nos movimentos da natureza (Cia. de Dança Rumpilé do Engenho) 28/4, 19h Grátis

 

Paula Berbert
Assessora de Comunicação
Fundação Cultural do Estado da Bahia – FUNCEB
71 3116-6782 | 71 9127-7803
www.funceb.ba.gov.br | www.twitter.com/funceb
www.agendacultural.ba.gov.br | www.twitter.com/agendacultbahia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s