Ano novo, vida nova, sonhos novos: Ninfa Cunha é a nova coordenadora do Espaço Xisto Bahia

É oficial: Ninfa Cunha é a nova coordenadora do Espaço Xisto Bahia. A nomeação da nova gestora foi publicada no Diário Oficial do último mês, ao dia 16 de novembro de 2015.

É o início, portanto, de um novo ciclo para o Espaço Xisto Bahia. Dada a importância do momento, o Espaço recebeu, hoje, algumas visitas ilustres para receber a nova coordenadora de braços abertos: Jorge Portugal (Secretário de Cultura do Estado da Bahia), Sandro Magalhães (SUDECULT – Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura) e Romualdo Lisboa (DEC – Diretoria de Espaços Culturais) estiveram presentes hoje pela manhã e se juntaram à equipe do Xisto para receber Ninfa Cunha.

ninfanomeação01.jpg

Ninfa Cunha, 47, é formada em Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas pela FACS – Faculdades Salvador S/C (atual UNIFACS). Cursou o Bacharelado Interdisciplinar de Artes da UFBA como aluna especial e atualmente participa do Mestrado em Cultura e Sociedade da UFBA.

Atua como intérprete-criadora e dançarina intérprete há 16 anos. No início da carreira é premiada em 2° lugar como dançarina – intérprete, na Categoria: Solo Avançado, na Modalidade: Dança Contemporânea, no Festival Internacional Dança Bahia / 99. Participa do Grupo Rodança, como dançarina e Relações Públicas, fazendo a produção, assessoria de imprensa e interpretação do espetáculo “A Dança da Vida sobre Rodas”, em 2001. Em 2002, é uma das fundadoras da Companhia de Dança Inclusiva RodArt, participando de Festivais Arte sem Barreiras em diversos estados. Entre eles, Sergipe, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Em Salvador, participa de duas edições consecutivas do Ateliê de Coreógrafos Brasileiros como intérprete-criadora e, também, convidada para participar do projeto “Somos Todos Brasileiros” do ator Marcos Frota. Esteve presente em quatro edições do VIVADANÇA Festival Internacional (Mostra Casa Aberta). No ano de 2014 é convidada para fazer parte da programação do Prêmio Caymmi de Música como dançarina-intérprete.

ninfadança2

Como produtora cultural, concebe, produz e divulga as sete edições do Casulo de Artes Inclusivas (2009 – 2015) e, em 2010 tem o projeto Perspectivas em Movimento – inclusão artístico-cultural da pessoa com deficiência, aprovado pelo edital em Formação e Qualificação Profissional da FUNCEB (Fundação Cultural do Estado da Bahia), onde exerce os cargos de Coordenadora Executiva e Relações Públicas. Em 2012 uma nova versão do Perspectivas em Movimento – A Reinvenção da Diferença passa no edital de Formação e Qualificação da SECULT (Secretaria de Cultura do Estado da Bahia). A partir de 2011, faz eventos com temáticas, tais como: Casulo na Dança – Corpo, Movimento e Inclusão e, Casulo no Solar – Arte, Inclusão e Diversidade, fazendo a direção, coordenação e produção. Atualmente contemplada no edital Arte Todo Dia (Fundação Gregório de Matos – Prefeitura de Salvador) com o projeto Circulando com Caymmi e a Poética dos Sentidos, apresentado como resultado final das 100 horas de oficinas de formação em palhaço, teatro e dança do Perspectivas em Movimento.  Em 2015 cria, coordena e produz a Semana Cultural Acessível com diversas ações voltadas para a temática ACESSIBILIDADE.

No campo político-educacional sempre é convidada a participar de debates, palestras, mesas, seminários, oficinas com foco nas áreas de arte, educação, inclusão e acessibilidade a exemplo de: Oficina Nacional de Indicação de Política Pública Cultural para Inclusão de Pessoas com Deficiência, organizada pelo Ministério da Cultura, no Rio de Janeiro (em 2008) e, também como Mediadora da Roda de Convivência: Mulheres e Diversidade Cultural, no Encontro da Diversidade, promovido MinC – Ministério da Cultura (em 2010). Participa como oficineira em acessibilidade cultural para o projeto Teatro para Sentir.

Os objetivo de Ninfa Cunha é bem claro: pensar e construir o Espaço em rede, tornando-o acessível para todos. Para isso, pretende firmar parcerias com grupos de pesquisa, instituições especializadas em pessoas com deficiência, funcionários do Espaço, residentes, produtores e o público.

Contudo, a ideia de acessibilidade proposta por Ninfa não é limitada a quem consome, senão a quem produz. Para ela, é necessário que o acesso da causa LGBT, negra, de pessoas com deficiência e idosos estenda-se até o palco, à produção, de forma a construir um novo fluxo de consumo cultural e atingindo a todas as camadas sociais existentes.

ninfadança3

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s